25% dos pacientes intubados com Covid-19 morrem por sequelas depois da alta

Estudo

25% dos pacientes intubados com Covid-19 morrem por sequelas depois da alta

Divulgação

Um estudo desenvolvido por uma coalizão de hospitais brasileiros aponta que, no período de 6 meses depois da alta hospitalar, 25% dos pacientes que foram intubados com covid-19 morreram.

No caso de internados que não precisaram de ventilação mecânica, a mortalidade é de 2%.

A pesquisa, que teve resultados parciais divulgados pelo jornal Folha de S.Paulo neste domingo (21.fev.2021), foi desenvolvida pelos hospitais Albert Einstein, HCor e Sírio-Libanês, Moinhos de Vento, Oswaldo Cruz e Beneficência Portuguesa, além do Brazilian Clinical Research Institute e da Rede Brasileira de Pesquisa em Terapia Intensiva.

As instituições envolvidas monitoraram pacientes por meio de ligações telefônicas feitas a cada 3 meses depois de saírem da internação.

Os dados preliminares apontam também que a taxa de nova hospitalização de pacientes internados com covid-19 é de 17%. Já entre os que foram intubados, o índice chega a 40%.

Os pesquisadores também apontam que 20% dos pacientes que foram intubados ainda não tinham voltado a trabalhar 6 meses depois da alta hospitalar, enquanto apenas 5% dos que não precisaram de respiradores seguiam sem exercer suas atividades profissionais no mesmo período. Entre as sequelas, o estudo destaca a incidência de transtornos mentais.

Os relatos apontam que 22% dos pacientes disseram sentir ansiedade, 19% depressão e 11% estresse pós-traumático.

A chamada “síndrome pós UTI”, caracterizada por fraqueza muscular e redução da capacidade física, foi detectada em pacientes que contraíram formas graves da doença.

O trabalho considera resultados obtidos no monitoramento de 1.006 pacientes, com idade média de idade 52 anos.

O tempo médio de hospitalização foi de 9 dias, sendo que 1/4 dos pacientes precisou de intubação.

ESTUDO SOBRE HIDROXICLOROQUINA

Em julho, a mesma coalizão publicou pesquisa brasileira que aponta que o uso da hidroxicloroquina, com ou sem a azitromicina, não apresentou “melhores resultados clínicos” dos pacientes diagnosticados com a covid-19.

“Entre os pacientes hospitalizados com covid-19 leve a moderada, o uso de hidroxicloroquina, sozinha ou com azitromicina, não melhorou o estado clínico aos 15 dias, em comparação com os cuidados-padrão“, afirmaram os autores.

O secretário de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde, Hélio Angotti, criticou o estudo, dizendo que a pesquisa era “confusa”.

Segundo Agnotti, o trabalho dos pesquisadores, embora “interessante”, não pode ser aplicado às recomendações da pasta no que se refere à utilização do medicamento. 

“A pesquisa é interessante. Mas não dá pra pegar um artigo escrito sobre uma coisa e aplicar sobre outra coisa”.


Matéria do Poder 360