Voluntário da vacina AstraZeneca está há quase 30 dias internado com confusão mental

Teste

Voluntário da vacina AstraZeneca está há quase 30 dias internado com confusão mental

Divulgação

Um voluntário da vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela AstraZeneca e a Universidade de Oxford em Salvador está há 29 dias internado.

De acordo com familiares ouvidos pelo BNews, o jovem de 20 anos, estudante da área de saúde na Universidade Federal da Bahia (Ufba), passou cerca de 15 dias na UTI em coma induzido, tendo crises convulsivas, e agora apresenta confusão mental.

"Ele está totalmente confuso, não fala coisa com coisa. Está tomando sedativos pra dormir. Totalmente desconexo com a realidade. Chama porta de caneta, chama TV de celular. Diz que uma prima está ameaçando ele de morte, umas conversas bem sinistras. A gente tem medo dele", descreve um parente.

De acordo com a família, o voluntário tomou as duas doses do teste. Cerca de 15 dias após a segunda aplicação, no último dia 12 de dezembro, o jovem, portador de diabetes e descrito como atleta, foi levado para o Hospital Jorge Valente, na capital baiana, com crise convulsiva, sem fala e com um lado do corpo paralisado. 

Em nenhum momento, relatam os familiares, o paciente apresentou exame positivo para o novo coronavírus. Agora na enfermaria, tendo recuperado a fala há poucos dias, ele ainda não recebeu diagnóstico.

Segundo os parentes, os médicos trabalham com a possibilidade de se tratar de uma encefalite - uma inflamação no cérebro. À reportagem, o Hospital Jorge Valente afirmou que tem assistido o paciente, oferecendo todos os recursos necessários, e que as informações estão reguardadas ao paciente e aos familiares.    

De acordo com o doutor em Virologia pela Universidade de Buenos Aires e coordenador do Laboratório de Virologia da Ufba, Gúbio Soares, o quadro é um provável efeito colateral ao imunizante. "Alguns indivíduos vão ter reação à vacina", afirma.

Segundo a família, o Hospital São Rafael, que realiza os testes da vacina da AstraZeneca com a Oxford em Salvador, foi informado sobre o caso no mesmo dia do internamento e, até então, não prestou esclarecimentos sobre o quadro do voluntário, alegando sigilo da pesquisa.  Todos os gastos, afirmam, estão sendo custeados pela família, que paga o plano de saúde.

"Não sabemos nem se eles notificaram o caso aos responsáveis pela pesquisa", diz um dos parentes.

Procurado pelo BNews, o hospital afirmou apenas que não se pronuncia sobre voluntários da vacina. A reportagem entrou em contato com a AstraZeneca, e ainda aguarda resposta, assim como da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), responsável pela coordenação dos estudos clínicos da fase três do imunizante no país.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que vai produzir a vacina no Brasil, salienta que não tem participação direta na pesquisa. "Em todo o mundo, os estudos clínicos da vacina Oxford-AstraZeneca adotam rígidos protocolos de segurança e são acompanhados por um Comitê de Monitoramento de Dados e Segurança independente", acrescenta a entidade em nota.

Procurada, a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) afirmou que os testes não estão sendo conduzidos pela pasta. Nesta sexta-feira (8), a Fiocruz solicitou à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) o registro emergencial do imunizante AstraZeneca/Oxford. Os resultados da fase três dos testes da vacina apontaram eficácia geral de 70%.


Matéria do site BNews