Decisão judicial garante desconto de 50% do valor do aluguel de loja comercial em razão da Pandemia no Ceará

Ao decidir, o magistrado considerou válida a concessão da liminar pretendida para restabelecer o reequilíbrio contratual entre as partes com base no princípio da vedação da onerosidade excessiva.

Decisão judicial garante desconto de 50% do valor do aluguel de loja comercial em razão da Pandemia no Ceará

Divulgação

O juiz de Direito, Tacio Gurgel Barreto, da 34ª Vara Cível do Ceará, em razão dos efeitos da pandemia de COVID-19, reconheceu evento de força maior e determinou desconto de 50% sobre o valor do aluguel de uma loja comercial.

Ao decidir, o magistrado considerou válida a concessão da liminar pretendida para restabelecer o reequilíbrio contratual entre as partes com base no princípio da vedação da onerosidade excessiva.

O juiz observou em sua decisão que “q pandemia de COVID-19, declarada pela Organização Mundial de Saúde, em 11/03/2020, é fato público e notório, inclusive formalizado pelo Decreto Legislativo n. 06/2020, do Presidente da República, que estabeleceu o Estado de calamidade pública em todo o país.

A rapidez com que o vírus se propagava, aliada à ausência de um medicamento ou vacina de eficácia comprovada, a ser utilizado no tratamento da doença, levaram os Estados da Federação, no início da pandemia, a adotar medidas de isolamento social, a fim de retardarem o máximo possível o colapso do sistema público de saúde. (...) É de se admitir a revisão do aluguel, em percentual de 50%, eis que, segundo é de se ponderar, considerando a diminuição do volume de circulação e até cessação temporária de clientes, é percentual que reequilibra a base negocial do contrato de locação”.

O juiz considerou que a medida pretendida não é irreversível, na medida em que a parte autora continuará obrigada a contraprestação pela locação comercial, nos moldes da revisão determinada, bem como porque, mesmo uma vez revogada a decisão, a parte demandada poderá cobrar os valores revisados.

O advogado Túlio Magno atuou no caso. • Processo: 0244308-63.2021.8.06.0001