Secretaria da Saúde do Ceará orienta como prevenir acidentes com animais peçonhentos

Saúde

Secretaria da Saúde do Ceará orienta como prevenir acidentes com animais peçonhentos

Foto: Reprodução

Acidentes com animais peçonhentos podem ocorrer o ano todo. Por isso, a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) orienta e reforça os cuidados que a população deve ter, especialmente neste mês de julho. Esse é o período da exploração de trilhas, da poda do cajueiro e também do acasalamento e reprodução das cobras. E como diz o ditado popular, “todo cuidado é pouco”.

Conforme Nota Técnica publicada pela Sesa nesta terça-feira (9), por meio da Coordenadoria de Vigilância em Saúde (Covig), a ocorrência de acidentes por animais peçonhentos intensifica-se principalmente neste mês. De acordo com análise dos últimos 12 anos, 25% dos acidentes com serpentes no Ceará acontecem entre os meses de julho e setembro. Dois em cada três acidentes podem ser evitados com a utilização de medidas preventivas, com uso de equipamentos de proteção individual, por exemplo.

“Para quem trabalha em áreas de mata ou pensa em fazer trilhas, é imprescindível usar botas de cano longo, devido mais de 80% das picadas atingirem as pernas. Também chamo atenção para o uso de luvas de couro, evitar mãos em buracos, folhagens e entulhos. Em caso de acidente procurar imediatamente atendimento médico para receber o soro”, alerta Relrison Dias Ramalho, assessor técnico do Núcleo de Controle de Vetores (Nuvet) da Sesa.

O perfil dos acidentes por serpentes se repete a cada ano, 50% são nas regiões inferiores do corpo, 78% ocorrem na zona rural, 50% acontecem com pessoas entre 20 a 49 anos e 79% das vítimas são homens. A cada dez acidentes, oito vítimas são homens. Das 22 Regiões de Saúde, cinco registram metade dos casos: Tianguá, Quixadá, Canindé, Crateús e Limoeiro do Norte.

Casos

Com estruturas como dentes e aguilhões, são consideradas peçonhentas as espécies que têm anatomia adaptada para injetar veneno, como no caso das serpentes. Há também escorpião, abelha, aranha e lagarta. Neste ano, até 29 de junho, 4.311 acidentes por animais peçonhentos foram registrados no Ceará, sendo um óbito.

Em relação às serpentes, o estado registrou 592 acidentes e um óbito em diferentes regiões neste ano, até junho, mostrando que os perigos ocorrem indistintamente em ambiente urbano e rural. A maior incidência dos acidentes é com serpentes do grupo Bothrops (jararaca, jararacuçu, urutu, cruzeira, caissaca), seguido do grupo Crotalus (cascavel).

Como se proteger

A melhor forma para evitar acidentes com animais peçonhentos é a prevenção. E para evitá-los, há algumas dicas a serem seguidas.